domingo, 23 de agosto de 2015

A SAGA da Univer Cidade e da Gama Filho! Diego Francisco continua cobrindo a matéria relacionada às IES e ao grupo GALILEO! Postalis teria adquirido debêntures da UGF por intermédio de Renan Calheiros, diz revista

Olá amigos!

Apesar de não ter mais acesso  aos assuntos sobre o grupo GALILEO  & cia uma vez que fui professor  de uma das IES e  estou seguindo a vida, temos o excelente jornalista Diego Francisco - O Opinólogo, que continua a mostrar a todos a SAGA DA UNIVER CIDADE e da GAMA FILHO. 

Não posso deixar de demonstrar minha insatisfação ao ver que colegas tiveram graves prejuízos, apesar ter ofertado seu intelecto, seu tempo, sua competência, e podemos dizer,  "vestiram a camisa", para que os gestores enchessem seus bolsos de dinheiro.

Alguns gestores se rebelaram contra o BLOG, e houve épocas de ameaças, porém, ele continua aqui...

Diversos alunos foram prejudicados e tenho contato com muitos deles nas IES que ministro aulas, e, felizmente vejo que conseguiram se estabilizar.

Os gestores enriqueceram mais ainda, mas será que são felizes?

Cliquem em cima da figura para ampliar

















































































  







O BLOG tem muitos seguidores e felizmente sempre descreveu a VERDADE. 

Mas, vamos a mais uma excelente matéria do  "OPINÓLOGO".



Em delação premiada à Justiça do Paraná, que centraliza as investigações da operação Lava-Jato, o doleiro Alberto Youssef teria dito que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), supostamente, atuou para que o Postalis – fundo de pensão dos Correios – comprasse debêntures do grupo Galileo Educacional entre 2010 e 2011, noticiou a revista Época.

Ainda, segundo a publicação, o parlamentar tinha “ingerência” sobre o fundo e era responsável pela indicação do diretor financeiro. “Época” disse que o Postalis investiu R$ 75 milhões. No entanto, os valores foram bem mais altos: R$81,4 milhões, de acordo com o próprio Postalis logo após o descredenciamento da Universidade Gama Filho (UGF), no Rio de Janeiro, em janeiro de 2014.

A mantenedora tinha dado como garantia na operação financeira as mensalidades do curso de Medicina da UGF. Ao todo foram R$ 100 milhões em títulos emitidos pelo Banco Mercantil. O Petros, fundo de pensão da Petrobras, também entrou no negócio.
Imagem postada pelo jornalista Diego Francisco - O OPINÓLOGO
Ao que parece, o ex-diretor da Galileo Educacional Milton Lyra poderia ser convocado a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada na Câmara dos Deputados para apurar supostas e eventuais irregularidades em fundos de pensão. “Época” relatou que um apartamento adquirido por ele numa das regiões mais caras de Miami, nos Estados, por US$ 6,9 milhões (algo em torno de R$ 24 milhões na cotação atual), seria objeto de investigação. Em abril passado, OPINÓLOGO já havia alertado que tal operação financeira – que recebeu o Prêmio Ibef de Sustentabilidade (foto) da regional Rio de Janeiro do Instituto Brasileiro de Executivo de Finanças (Ibef-Rio) – poderia ser alvo de investigação no legislativo.

Em junho passado, a revista "IstoÉ" publicou que o empresário Milton Lyra era um achegado do peemedebista e que teria, supostamente, tramado junto ao ex-acionista majoritário da Galileo Educacional Márcio André Mendes Costa um golpe contra o Postalis e o Petros, conforme investigação em andamento da Polícia Federal. Marcus Vinícius Mendes Costa, irmão de Márcio André, seria um sócio minoritário do referido banco.

“IstoÉ” afirmou também que da  grana dos fundos de pensão destinada à Gama Filho, o senador Renan Calheiros (PMDB) teria, supostamente, embolsado R$ 30 milhões, enquanto os petistas senador Lindbergh Farias (RJ) e deputado federal Luiz Sérgio (RJ), R$ 10 milhões cada.

QUE SÃO DEBÊNTURES?

São CONTRATOS DE EMPRÉSTIMOS que somente as SOCIEDADES ANÔNIMAS possuem e se beneficiam de juros fixos ou variáveis e não juros compostos que são comuns em Instituições Financeiras.

DEBÊNTURES não são AÇÕES, e aqueles que as adquirem se tornam DEBENTURISTAS que investem seu dinheiro através de CONTRATOS com um prazo DETERMINADO.

Portanto, os DEBENTURISTAS EMPRESTAM DINHEIRO à SOCIEDADE ANÔNIMA e esta restituirá em um determinado prazo,  à vista ou em prestações o valor com juros juros fixos ou variáveis, que podem estar atrelados, entre outros indexadores, à inflação (IPCA mais juros), ao CDI ou às taxas de juros de referência (TJ3 e TJ6). Não se trata dos juros bancários que são compostos.

São títulos de crédito a longo prazo emitidos por grandes empresas, sociedades anônimas, com garantia de seu ativo, e com ou sem garantia subsidiária da instituição financeira que as lança no mercado. Sua finalidade principal é captar recursos para os projetos de investimento, ou então alongar as dívidas. 

O portador de um debênture é um credor da empresa que a emitiu, ao contrário do acionista, que é um dos proprietários dela. Os investidores que compram as debêntures, em troca, recebem uma taxa de juros fixa ou variável sobre o valor emprestado como já foi mencionado acima. Normalmente os prazos são superiores a um ano. Em resumo, correspondem a um empréstimo que o comprador do título faz à empresa emissora.    

1.   Quem pode investir em debêntures?

Em debêntures, qualquer pessoa pode investir, mas o valor inicial varia de uma oferta para outra. Algumas empresas exigem aplicação mínima de R$ 1.000, enquanto outras podem fixar o valor inicial em R$ 100 mil, R$ 300 mil ou até mais.

2.   Quais as vantagens de investir em debêntures? 

Você sabe quanto seu dinheiro vai render após o prazo estabelecido
Rendem mais do que outras aplicações de renda fixa como CDB, fundos DI e fundos referenciados. Têm mais liquidez

3.   Como posso resgatar o dinheiro que investi em uma debênture?
 
Debêntures “devolvem” o valor principal investido no vencimento (desde que acima de um ano), ou em parcelas (amortizações) pagas periodicamente ao longo de anos. É comum serem realizados pagamentos periódicos – semestrais, por exemplo – de juros.
Caso queira recuperar o dinheiro da aplicação antes das datas contratadas, o investidor pode vendê-las no BOVESPA FIX (sua corretora pode ajudá-lo). Mas, é importante ver como está o mercado, pois se o papel estiver em baixa, o aplicador pode fazer um mau negócio.

4.  Como faço para investir em uma debênture?
 
Para investir em debêntures, você precisa ser cliente de uma corretora que negocie este produto. Elas possuem especialistas que poderão ajudá-lo esclarecendo todas as dúvidas que você tiver.

5. Como posso calcular o retorno que terei ao investir em uma debênture ou nota promissória?
 
Debêntures rendem juros fixos ou variáveis , que podem estar atrelados, entre outros indexadores, à inflação (IPCA mais juros), ao CDI ou às taxas de juros de referência (TJ3 e TJ6).

Vantagens de emitir:

Ao emitir debêntures, as companhias podem utilizar os recursos captados para o financiamento de projetos, reestruturação de passivos, aumento de seu capital de giro ou estruturação de operações de securitização de recebíveis.

Captação de Recursos para Investimentos: é uma alternativa aos financiamentos bancários, abrindo para a companhia um amplo espectro de investidores potenciais, tanto no Brasil quanto no exterior.

Reestruturação de Passivos: as debêntures são utilizadas para consolidar as dívidas de diversas naturezas da empresa e têm como vantagens a diminuição de seu custo médio (inclusive o custo e a complexidade da administração da dívida), o alongamento e a adequação do seu perfil e a diminuição significativa das garantias utilizadas na captação de recursos.

Securitização de Recebíveis: a securitização de recebíveis é uma operação que envolve a venda de recebíveis de uma empresa originária para uma segunda, qualificada como Sociedade de Propósito Específico (SPE). Esta última tem como único objeto o acolhimento dos créditos, adquiridos com os recursos provenientes de uma emissão de debêntures.

Na securitização de recebíveis, o risco de crédito dos recebíveis é segregado do risco de crédito da companhia originária, viabilizando uma emissão que em muitos casos não poderia ser realizada por esta companhia.

A SPE realiza ainda uma segunda emissão particular de debêntures, além da principal, que é subscrita pela companhia originária e serve para zerar o resultado financeiro da SPE, decorrente de lucros oriundos de repactuações vantajosas e ganhos de aplicações financeiras. Quando as debêntures são resgatadas, a SPE automaticamente se extingue.

Flexibilidade do Valor Mobiliário: a debênture é um título bastante flexível que viabiliza a montagem de operações de médio e/ou longo prazos dentro das necessidades da emissora. São instrumentos de captação extremamente maleáveis em termos de garantias, prazo, conversibilidade em ações, remuneração, além de oferecer a possibilidade de repactuação ou mudança de suas características por Assembleia Geral de Debenturistas (AGD).

Agilidade na Captação de Recursos: com o procedimento simplificado de registro e a possibilidade de registro de um Programa de Distribuição junto à CVM, é possível aos emissores grande rapidez na emissão de debêntures e captação de recursos de maneira mais ágil, por exemplo, num momento em que as taxas de juros são atraentes.

Entrada no Mercado Acionário: o lançamento de debêntures pode ser considerado como um estágio preliminar a uma plena abertura de capital realizada por meio da emissão de ações, especialmente no caso de debêntures conversíveis.

Essas debêntures possuem uma cláusula de conversibilidade que estabelece condições, preço e período para que as debêntures se convertam em ações.

Se quiser conhecer mais vá no site da BOVESPA - Cliquem aqui 
 


4 comentários:

  1. É isso, Professor Brasileiro, - "que tal operação financeira – que recebeu o Prêmio Ibef de Sustentabilidade (foto) da regional Rio de Janeiro do Instituto Brasileiro de Executivo de Finanças (Ibef-Rio) – poderia ser alvo de investigação no legislativo." - o tal do Ibef-Rio virou Ibosta-Rio. Deram prêmio de excelência a uma operação fraudulenta. Tem que chamar os responsáveis pelo Ibef-Rio para depor na CPI. Agora, esse papo de que o dinheiro foi sendo depositado em várias contas e que a PF não conseguiu identificar o destino é uma piada jornalística de mal gosto ou a PF...

    ResponderExcluir
  2. Não vejo crime na operação em si. Agora, se algum político recebeu comissão para influenciar a realização do negócio ou se alguém deu um destino diferente da aplicação na estrutura educacional da Galileo, aí sim. A PF esta demorando muito nessa apuração. Faltou salário para eles da PF? Dinheiro não evapora sem deixar rastro.

    ResponderExcluir
  3. E a recuperação judicial? Já venderam o terreno no Recreio? Já construíram a cidade universitária? Onde esta meu dinheiro? Os impostos que sempre paguei também serve para pagar a incompetência da PF e do MP. Se vão construir condomínio, cemitério...não me interessa. "Financiamento" empresarial das campanhas políticas continua, graças ao amigo do Pastor Maldafala, o Eduardo Cunha, The man of the US$ 5 milion. A igreja não paga imposto e recebe "sobras de campanha e outras comissões de natureza criminosa, mas se mexer com eles o MP e a PF aparecem rápido e de todos os lados para protegê-los. Quando será que a sociedade brasileira vai entender que financiamento empresarial de campanhas políticas é uma PORTEIRA ABERTA PARA A CORRUPÇÃO E QUE TEM VÁRIAS IGREJAS PARTICIPANDO DO PROCESSO DE LAVAGEM DA ALMA. NÃO ESQUEÇAMOS O REVERENDO DA GALILEO, O RONALD LAMAÇAL, CALOTEIRO MOR DO TRABALHO, DE TRIBUTOS E TRAMBIQUEIRO PROFISSIONAL...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O processo que está na 7ª Vara Empresarial está em fase de resolução do PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL.

      RECUPERAÇÃO JUDICIAL pedida pela Galileo Educacional

      A Galileo Educacional apresentou o PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL e dia 14 de agosto de 2015 foi publicado o PLANO.

      Após a publicação os Credores têm até 30 dias para IMPUGNAR se quiserem e demonstrarem suas insatisfações sobre o PLANO oferecido.

      Foram apresentadas várias Impugnações juntadas dia 11 de setembro.

      Portanto, a lei 11.101/2015 diz que se houver Impugnações será marcada uma ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES para a resolução e discussão do PLANO. Caso não haja resolução na Assembleia dos problemas apresentados, o juiz Decretará a Falência.

      Lembremos que na RECUPERAÇÃO a empresa está ainda viva, e o objetivo é se reerguer. Somente na Falência que haverá a morte da Empresa.

      Mas, como no Brasil o poder econômico sobrepuja tudo, sinceramente o que eu ensino na faculdade é tudo muito bonito, mas para aplicar na prática tudo é diferente... Infelizmente essa é a realidade...

      Contudo, a vida continua...

      Excluir

O BLOG É MODERADO.

TODOS SÃO BEM-VINDOS !

Professor Brasileiro